Friday, March 24

Sexta-feira da Semana III da Quaresma



Reflexão
Amar acima de tudo, é o resumo de todos os mandamentos.
Amar a Deus e ao próximo vale mais que todos os holocaustos e sacrifícios.
Ao nível institucional, a estrutura eclesial poderá parecer um emaranhado de preceitos. Mas sob essa estrutura corre a vida: é o amor que devemos a Deus e ao próximo.

Thursday, March 23

Quinta-feira da Semana III da Quaresma


Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/liturgia/?mc_id=1365

Reflexão
Para o profeta Jeremias, o pecado do povo é, sobretudo, a desobediência e obstinação nos seus erros. É a negação da Aliança que leva consigo a ruína. (a 1ª deportação para Babilónia no ano 597 a. C.)
Cristo encontra a mesma obstinação, a mesma cegueira voluntária ante os seus milagres e sinais messiânicos.
A opção é por Cristo ou contra Cristo, pedra de escândalo e sinal de contradição. Não há lugar para divisões.

Wednesday, March 22

Quarta-feira da Semana III da Quaresma



Reflexão
A Lei de Deus é Lei de vida. Cumpre os mandamentos e viverás. Jesus veio dar plenitude à Lei e aos Profetas, acentuou a sua importância e criticou a interpretação que dela fizeram as escolas rabínicas. A alternativa que Jesus propõe não é a abolição, mas uma maior perfeição e exigência. Essa será a nova justiça do Reino de Deus.
A Lei nova de Cristo é a Lei do Espírito e fundamenta uma nova moral. Cristo é o cumprimento pleno da Lei e dos Profetas da Antiga Aliança. A primeira Lei da Igreja e do cristão é o amor sem limites, à medida de Cristo.

Monday, March 20

Solenidade litúrgica de São José


Reflexão
Hoje, comemoramos o grande patrono da Igreja Universal, São José. Ninguém ignora que São José é o esposo de Nossa Senhora e pai adoptivo de Jesus. A Bíblia não fala muito dele. No entanto, o amor cristão faz de cada palavra do Evangelho de São Mateus um ensinamento novo para a vida. Eis alguns factos que sempre recordamos: A ordem dada a São José, de receber Maria como esposa. É o fim do Antigo Testamento e o começo do Novo. Ele é o patriarca, o grande pai. A fuga para o Egipto e a volta lembram a história de todo o povo de Israel - o Êxodo. Portanto, São José é o amigo do povo, dos pobres, dos pequeninos, dos perseguidos e dos sofredores. Da Bíblia, recebeu ele o título maior que ela costuma dar a alguém: Justo. São José era um homem justo. Tanto a Idade Média quanto os tempos modernos lembraram muito São José como modelo para o lar e, também, para o operário. A simplicidade e a fidelidade fizeram de São José o protector escolhido para Maria e para o próprio Jesus, bem como para todos nós.

Friday, March 17

Sexta-feira da Semana II da Quaresma



Reflexão
Estamos ante uma parábola-compêndio: a vinha, o dono, os agricultores, os criados, o filho morto e o castigo. Este é realmente um compêndio da História da salvação, onde está patente o mistério pascal de Cristo. A vinha significa tanto o novo Israel, como o Reino de Deus. Todos os que nele estamos, temos a responsabilidade de produzir frutos de conversão e de boas obras.

Wednesday, March 15

Quarta-feira da Semana II da Quaresma



Reflexão
Jesus sobe a Jerusalém consciente daquilo que lá O espera. Pela terceira, vez fala aos discípulos da sua paixão. Os discípulos não conseguem compreender e aceitar tais perspectivas e preferem cultivar as de sucesso e poder e Jesus explica-lhes o sentido da sua missão e o sentido do seguimento que lhes propõe. Quem aspira aos lugares mais elevados no Reino, terá que, como Ele, estar pronto a expiar o pecado do mundo. Ele é o Filho de Deus, veio para servir como o Servo de Deus, oferecendo a sua vida em resgate para que os homens, escravos do pecado e sujeitos à morte, sejam libertados.

Monday, March 13

Segunda-feira da Semana II da Quaresma



Reflexão
Daniel ora em nome de todo povo arrependido. A resposta de Deus é a libertação final do povo.
Deus está sempre disposto a perdoar. Temos de aprender a linguagem do perdão. O homem só é grande quando reflecte em si a imagem do Deus Santo que leva dentro.
Urge crescer na estatura espiritual, mediante o amor que perdoa. Todos somos pecadores, todos precisamos de perdão, e por isso, deveremos perdoar sempre.

Thursday, March 9

Quinta-feira da Semana I da Quaresma


Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/dia-liturgia/quinta-feira-1a-semana-da-quaresma/?mc_id=1374

Reflexão
É o próprio Jesus que insiste em que devemos pedir, procurar, bater à porta. Rezar é ter esta
confiança, é afirmar a fé, é fazer caminho. Jesus ensina a necessidade da oração de súplica e que é escutada. É preciso assumir a atitude de mendigo e reconhecer a nossa própria condição de fraqueza e grande dependência de Deus. Deus dá a quem pede e abre a quem bate, escuta sempre os pedidos dos filhos e dá-lhes o que é melhor para eles. O modo de agir de Deus, leva-nos a agir da mesma maneira com aqueles que estão connosco. Hoje e em cada dia devo estar atento ao outro, aquele que precisa de mim.

Tuesday, March 7

Terça-feira da Semana I da Quaresma


Reflexão
O perdão é resposta concreta à Palavra da Deus. A oração não é palavreado barato e sem sentido. Jesus apresenta o Pai-nosso como o modelo de oração partilhada. É resposta de fé ao Deus que nos fala por Cristo. O perdão das ofensas é caminho de Quaresma. Deus é nosso Pai. O Pai de todos, por adopção. Somos filhos pela fé, pelo baptismo e pelo espírito de filiação. A fraternidade universal fundamenta-se na Paternidade de Deus. Daí, as condições essenciais para a reza do Pai Nosso.

Monday, March 6

Segunda-feira da Semana I da Quaresma

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/dia-liturgia/segunda-feira-1a-semana-da-quaresma/?mc_id=1371

Reflexão
Logo desde o princípio da Quaresma, ergue-se diante da assembleia cristã o Senhor sentado no seu tribunal. Ele é o Bom Pastor, a separar as ovelhas dos cabritos, isto é, aqueles em quem a Palavra de Deus levou até à prática das boas obras, sobretudo em relação ao próximo, e aqueles em quem a Palavra, uma vez escutada, ficou estéril. É esta uma maneira de nos fazer compreender que a Quaresma é tempo de conversão e de renovação do amor de Deus e ao próximo.

Friday, March 3

Sexta-feira depois das Cinzas


Reflexão
O formulismo religioso e hipócrita é alvo de denúncia. Jejuns e ritos sem justiça, são pura magia. A prática religiosa deve supor, como conteúdo, as disposições do coração. A Igreja mantém o jejum apenas duas vezes ao ano: na Quarta-feira de Cinzas e na sexta-feira Santa. É preciso fazer jejum no egoísmo, na auto-suficiência, na intolerância, no consumismo, no ódio, para dar passo ao amor e à confraternidade universal. A penitência quaresmal é sobretudo partilha dos bens materiais e espirituais, com os mais pobres!

Thursday, March 2

Quinta-feira de Cinzas

 


Reflexão
Israel encontra-se ante o dilema: servir o Senhor ou servir a idolatria. Tal alternativa supõe liberdade e opção amadurecida e tem consequências diferentes. A condição para seguir a Cristo é perder a vida para a poder ganhar. O ponto de referência na caminhada da conversão, é a Páscoa. O caminho da Quaresma tem importância vital na conversão pessoal, numa dimensão comunitária. Entregar-se a Cristo é salvar a Vida.

Wednesday, March 1

Quarta-feira de Cinzas


Reflexão
Quatrocentos anos antes de Cristo, já o profeta Joel apela dramaticamente ao seu povo: Convertei-vos ao Senhor, vosso Deus. A conversão do coração é, portanto, fundamental e urgente. A Quaresma é um tempo favorável para a reconciliação com Deus e com os irmãos. Essa fidelidade a Deus exprime-se também pela esmola, a oração e o jejum.

Monday, February 27

Segunda-feira da Semana VIII do Tempo Comum

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/dia-liturgia/viii-semana-segunda-feira-tempo-comum-anos-pares/?mc_id=1347

Reflexão
Para alcançar a vida eterna há um caminho que passa pelo cumprimento dos mandamentos e pelo seguimento de Jesus. Um homem traz este desejo dentro de si e questiona Jesus sobre o que precisa de fazer. Fica contente ao saber que já tinha percorrido uma boa parte desse caminho. A segunda parte, porém, parece-lhe exigente. Demasiado exigente. Ele quer ganhar e não perder. Apresenta-se diante de Jesus com as suas riquezas e Jesus propõe-lhe que primeiro perca para depois ganhar: vai vender o que tens, dá o dinheiro aos pobres e terás um tesouro no Céu. Depois, vem e segue-Me. As riquezas tornaram-se mais pesadas e mais importantes do que o desejo da vida eterna, mais importantes do que seguir Jesus.

Sunday, February 12

“Se a vossa justiça não superar a dos escribas e fariseus”




 A Palavra de Deus deste 6º Domingo do Tempo Comum convida-nos a reflectir sobre o projecto que Deus nos deu para assumirmos com convicção a vida cristã.
Apela-nos à vivência da perfeição e à radicalidade de vida, a irmos ao fundamental da Sua mensagem: o cumprimento da Lei de Deus, que não passa por um cumprimento à letra e rigoroso mas a sabermos ser verdadeiramente livres e sábios para descobrirmos o amor de Deus e a caridade para com os outros.
Jesus veio propor-nos a perfeição dos mandamentos e da Lei. Ele não veio para abolir a lei que Deus ofereceu ao Seu povo no Sinai.
A proposta de Jesus é ir mais além da lei e assumir uma atitude interior de compromisso e responsabilidade com Deus tendo cumprimento na vida concreta de cada dia. Significa levar às últimas consequências e o cumprimento da Lei exige uma justiça ainda maior: “se a vossa justiça não superar a dos escribas e fariseus, não entrareis no reino dos Céus”.
Jesus apresenta-nos quatro exemplos bem concretos desta nova maneira de perceber e viver a Lei de Deus: nas relações com os outros, no adultério, no divórcio e na questão do juramento. É preciso um clima de sinceridade, de confiança, de verdade, de lealdade. A vossa linguagem deve ser: Sim, sim; não, não. O que passa disto vem do Maligno. É necessário haver uma coerência de vida, banir a mentira e guiar-se pelo Espírito de verdade e da Lei.
Peçamos ao Senhor que nos faça compreender a lei do amor. A cada um de nós é dirigida a exortação de Paulo: «Não te deixes vencer pelo mal, mas vence o mal com o bem» (Rm 12, 21). E ainda: «Não nos cansemos de fazer o bem» (Gal 6, 9). Como diz o Papa Francisco, na Evangelii Gaudium, “Não deixemos que nos roubem o ideal do amor fraterno”.

Friday, February 10

Sexta-feira da Semana V do Tempo Comum


Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/dia-liturgia/tempo-comum-anos-impares-iv-semana-sexta-feira-2/?mc_id=1310

Reflexão
Jesus, ao dar vista aos cegos, ouvido aos surdos e voz aos mudos, está a dar cumprimento ao que os profetas tinham anunciado. Deste modo, ao mostrar compaixão para com os doentes e infelizes, Jesus revela-Se o Messias, o Enviado, o Ungido de Deus. Quando o homem se aproxima de Jesus Cristo, Ele faz com que se possa ouvir a palavra de Deus e professar a fé. É o segundo milagre que Jesus faz em território pagão e pretende continuar a descrição da actividade missionária da primeira comunidade cristã e assinalar a abertura dos pagãos à fé em Jesus Cristo. Em Jesus realizam-se as promessas de salvação. É um reconhecimento gozoso da eficácia da presença do reino de Deus.

Monday, January 30

Segunda-feira da Semana IV do Tempo Comum


Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/dia-liturgia/tempo-comum-anos-impares-iv-semana-segunda-feira/?mc_id=1293

Reflexão
O nosso mundo anda possesso de muitos espíritos: violência, fanatismo, lucro, droga, guerra, armas, riqueza, sensualidade, vaidade, bruxaria, etc. É por sinais que Jesus se auto-revela como Messias e Filho de Deus. A presença de Jesus incomodou os povos daquela região, não por ter curado o possesso, mas sobretudo pelo desaparecimento dos porcos. A Sua presença agora incomodava, porque obrigou a sacrificar interesses materiais. Por isso pediram que fosse para outro sítio. É o que realmente procuramos fazer continuamente: que Ele não nos incomode.

Thursday, January 26

Memória litúrgica de São Timóteo e São Tito, bispos

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/dia-liturgia/s-timoteo-e-s-tito-bispos/?mc_id=131

Reflexão
Timóteo e Tito, discípulos e colaboradores do apóstolo Paulo, presidiram às Igrejas de Éfeso e de Creta, respectivamente. No cumprimento da sua missão também encontraram o cenário profetizado por Cristo: como cordeiros no meio de lobos. A eles foram dirigidos as Epístolas Pastorais, que contêm admiráveis recomendações para a formação dos pastores e dos fiéis. São Paulo revê-se nos seus dois discípulos e sente-se feliz pelo dom da fé que lhes é comum, e que neles se tornou a raiz da vida vivida na fidelidade à palavra de Deus, que receberam, e à missão em que foram investidos dentro da Igreja.

Wednesday, January 25

Festa da Conversão de São Paulo

Liturgia da Palavra - http://www.dehonianos.org/portal/dia-liturgia/conversao-de-s-paulo/?mc_id=120

Reflexão
São Paulo é o melhor exemplo do mandato de Cristo de anunciar a Palavra. Jesus censura sempre a obstinação dos incrédulos no testemunho daqueles que O tinham visto ressuscitado. A Igreja missionária não se coaduna com a ideia duma igreja instalada.
O mandato de anunciar a Palavra é perene, tanto para a comunidade eclesial, como para cada um dos seus membros, sobretudo através do testemunho de vida. Como São Paulo todo o cristão é enviado a evangelizar, incarnando no mundo os valores do Reino. Por isso é urgente a desinstalação dos cristãos acomodados e passivistas.

Monday, January 23

Segunda-feira da Semana III do Tempo Comum


Reflexão
Continuando a fazer a comparação entre o culto e a mediação de Cristo e os ritos do Antigo Testamento, a epístola afirma a superioridade absoluta de Cristo sacerdote. O seu sacrifício é único, oferecido de uma vez para sempre; ele atinge o fim dos tempos e inaugura o reino celeste, onde Cristo entrou de uma vez para sempre, como Cabeça do corpo da Igreja. É de lá que ela O espera para que Ele a associe à sua vitória pascal. Cristo é o mediador da nova aliança, sumo sacerdote da nova lei, o mediador entre Deus e a humanidade. Há continuidade entre a antiga e a nova aliança. Jesus não é apenas sacerdote da nova aliança; é também vítima. Na paixão, entregou-se a Deus pelos pecadores. Não ofereceu sangue de outros, mas o seu próprio sangue.